Follow by Email

terça-feira, 30 de maio de 2017

Condenado a 52 anos ex-pastor pentecostal que matou e incendiou casal de idosos


Ex-pastor Josemar Ribeiro de Souza
------------------------------------------------------------------------ 
Nota: O jornalista usa o termo "falso pastor" na manchete, mas vale lembrar que Josemar Ribeiro de Souza foi pastor de fato. Depois de afastado da congregação pentecostal em que atuava, ele continuou se identificando como pastor e muita gente acreditou que ainda o fosse - o que revela mais uma contradição do chamado 'povo de Deus': Como você pode obedecer alguém como autoridade divina sem qualquer evidência de que Deus o tenha credenciado, e isso mesmo quando ele está em plena comunhão com a igreja e sua liderança. Até porque essa mesma igreja e essa mesma liderança também carecem de provas do credenciamento divino. Muita gente gosta de chamar de falsos pastores aqueles que cometem crimes, mas isso só acontece depois que essas mesmas pessoas já os haviam 'incensado' como 'os intocáveis ungidos do Senhor', vale lembrar.

------------------------------------------------------------------------ 

Falso pastor é condenado a 52 anos de prisão por incêndio e latrocínio de casal no Nortão
15/05/2017 - 07:23
Fonte: Só Notícias/Herbert de Souza

O juiz da Vara Única de Guarantã do Norte, Diego Hartmann, condenou a 48 anos e um mês de prisão Josemar Ribeiro de Souza, responsável pelo latrocínio do casal de idosos Antônio Romão Sorrilha, 69 anos, e Maria Munhoz, em uma propriedade rural, no município de Novo Mundo. O homem, que se apresentava como pastor de uma igreja evangélica, foi sentenciado a mais 4 anos de cadeia por incendiar a residência das vítimas após o crime. Ele cumprirá a pena em regime fechado, mas ainda cabe recurso da decisão.


Os assassinatos ocorreram no dia 14 de abril do ano passado, em uma propriedade localizada às margens da MT-419, na estrada da balsa do rio Teles Pires. A Polícia Civil apurou que Josemar foi até a casa das vítimas para cobrar uma suposta dívida. Antônio se negou a pagar, quando o falso pastor anunciou que estava armado. Ele conduziu a mulher de Antônio, Maria Munhoz até um quarto. Em seguida, foi até o idoso, o amarrou e o enforcou. Depois voltou ao quarto, amarrou a mulher e também a enforcou.

Em seguida, se apossou do cartão bancário e da motocicleta das vítimas, e fugiu. Ele acabou retornando três dias depois. O homem confessou que jogou gasolina em um colchão e ateou fogo. O objetivo era dificultar as investigações. Depois, fugiu para Guarantã do Norte, levando ainda mais uma espingarda da vítima.

Em posse do cartão de Antônio, Josemar efetuou quatro saques no valor de R$1,5 mil, totalizando R$6 mil. Ele também fez três transferências bancárias no valor de R$3 mil, cada, além de compras no débito.

Josemar foi preso pela Polícia Civil em junho do ano passado, em um hotel da cidade de São José do Rio Claro, no Médio-Norte. Segundo as investigações da delegacia da Polícia Civil de Guarantã do Norte, ele escolhia suas vítimas, todas idosas, entre sitiantes da zona rural de Novo Mundo. Depois de conquistar a simpatia delas, ele roubava, matava e queimava os corpos para dificultar a identificação e a investigação.

O falso pastor também é acusado de matar o aposentado José Antônio Pires, e o sitiante João Juscelino Martins da Silva. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário