Follow by Email

terça-feira, 28 de novembro de 2017

Pastor e esposa são detidos em Cuité por roubo em residência


Casal foi liberado após audiência de custódia


07/11/2017 as 17:44


O político ‘pastor Wagner’, que foi candidato a vereador em 2016 em Cuité, foi preso na manhã desta terça-feira (07) pela Polícia Civil por acusação de furto a residência na cidade.

Sob o comando do delegado Elias Rodrigues, policiais fizeram uma campana na frente da casa da vítima e prenderam em flagrante o pastor e sua esposa.

Segundo a política, a acusada trabalhava na casa da vítima e havia subtraído objetos e uma quantia em dinheiro, fato que teria sido comprovado por vídeo monitoramento.

Na hora do flagrante, o pastor teria adentrado a casa, pegado objetos e ia se evadir do local, quando recebeu voz de prisão dos policiais e que os conduziram à delegacia em Cuité.

Ainda segundo relatos, a esposa do “pastor” ostentava nas redes sociais roupas furtadas da vítima.  

Da redação
Fonte: https://www.wscom.com.br/noticias/policial/pastor+e+esposa+sao+detidos+em+cuite+por+roubo+em+residencia-226205

Pastor evangélico é preso em Camaçari por suspeita de homicídio conta ex-esposa

Por Redação / 23 de outubro de 2017

Pastor é acusado de usar pedaço de fio para tentar matar ex-mulher.


Foto: Divulgação


Um homem foi preso na noite de sábado (21), na cidade de Camaçari, na Região Metropolitana de Salvador. Segundo as informações da polícia, ele foi detido sob acusação de tentativa de homicídio conta a ex-companheira.

O acusado é pastor de uma igreja evangélica do município, e não teve a identidade revelada.

Ainda segundo a polícia, o autor, não aceitava o término do relacionamento, e sentia ciumes da vítima.

Na tentativa de reconciliação, que não foi aceita pela mulher, o líder religioso, revoltou-se e teria tentando matar a ex-mulher com um pedaço de fio elétrico.

O suspeito foi detido enquanto se dirigia ao ministério.

'Pastor do mal' é acusado de estupros e abuso de droga

Cidade de Clevelândia, onde os crimes aconteceram.



25/11/17 às 11:00 - Atualizado às 19:20 Redação Bem Paraná

O pequeno município de Clevelância, uma cidade com pouco menos de 20 mil habitantes localizada no sudoeste paranaense, está alvoroçada. É que um pastor da região foi preso em flagrante e é aacusado de pelo menos dois estupros por vítimas que procuraram a Polícia Civil.

O primeiro caso a vir à tona ocorreu por volta das 5h50 do último sábado (18), quando o religioso bateu na orta da vizinha de prédio pedindo socorro e dizendo estar infartando. A vítima abriu a porta para o homem, que então perguntou se o seu marido poderia levá-lo ao pronto-socorro.

Ao ser informado que a mulher estava sozinha em casa com os filhos, o pastor a atacou pelas costas com uma gravata, sufocando-a. Foi quando o suspeito agarrou a filha dela, de 11 anos, numa tentativa de abuso sexual.

Felizmente, contudo, a mulher recobrou os sentidos e com a ajuda da filha, que se armou com uma faca, conseguiu pedir ajuda nos apartamentos vizinhos. A Polícia Militar foi então acionada e realizou a prisão em flagrante.

Já na segunda-feira (20/11), uma outra pessoa procurou a delegacia local contando que foi sequestrada no final de outubro por ele, agredida fisicamente, abusada sexualmente e ameaçada de morte.

A vítima relatou que foi sequestrada numa rua da cidade, colocada a força em seu carro e levada até um motel, onde o criminoso a obrigou a ingerir bebida alcoólica e cocaína.Por conta do uso de drogas, contudo, o pastor não conseguir concretizar o ato sexual, embora tenha permanecido mais de duas horas com a vítima, que foi ameaçada de morte ao ser libertada.

Ela disse ainda que não havia denunciado o ocorrido antes por acreditar que seu agressor fosse de fora de Clevelândia. Ao ver a notícia sobre o caso do último sábado, contudo, resolveu fazer a denúncia.

Polícia faz operação para prender quadrilha que vende gás ilegal em Japeri, na Baixada

Foto: Internet (apenas para ilustração)


Policiais civis fazem uma operação, na manhã desta sexta-feira, em Japeri, na Baixada Fluminense, para prender nove pessoas envolvidas na venda ilegal de gás. Entre os alvos da ação, estão um ex-candidato a vereador, um ex-PM e também um militar do Exército.A “Operação Gás Tóxico” tem participação de policiais da 63ªDP (Japeri), com apoio de agentes das delegacias distritais da Baixada Fluminense, do Exército Brasileiro, da Secretaria estadual de Administração Penitenciária (Seap), da Polícia Civil de Minas Gerais e da Agência Nacional de Petróleo (ANP), desencadearam, na manhã desta sexta-feira, a Operação Gás Tóxico.

O grupo que praticava as extorsões, segundo a polícia, é formado por Erly da Silva Gonçalves, o “Lico do Gás”, ex-candidato a vereador do município de Japeri, Luiz Fábio Faria Lima, o “Fabinho do Gás”, ex-policial militar, Reinaldo Alves, o “Neno”, assessor da Secretaria de Educação da prefeitura de São João do Meriti, Ernesto Luiz da Silva Marinho, o “Nino”, pastor evangélico no município de Japeri, Adriano Felipe Santana da Silva, o “Chuck”, cabo do Exército Brasileiro e Cleiton Damásio Rodrigues. (grifo nosso)

Além dos nove mandados de prisão, a ação tem o objetivo de cumprir 24 mandados de busca e apreensão, seis de verificação e um mandado de condição coercitiva, todos expedidos pela 1ª Vara Criminal da Comarca de Japeri.

O objetivo, segundo a polícia, é desmontar uma quadrilha que desde janeiro de 2017, mediante violência e grave ameaça, constrange os comerciantes e revendedores de botijões de gás do município de Japeri a efetuarem depósitos periódicos em contas correntes indicadas pelos investigados.

De acordo com as investigações, além de obterem vantagens patrimoniais ilícitas, os investigados impediam a livre concorrência na localidade, impondo taxas e ajustando preços, exercendo assim de forma “manu militari” o controle regionalizado do mercado de gás.

O ex-militar Thiago Fialho Trindade, segundo a denúncia, intermediava e fornecia armas e munições para a quadrilha. Os valores ilícitos obtidos com a empreitada criminosa eram depositados na conta corrente de Brenda Santos de Souza e outras contas indicadas por José Ricardo Ribeiro.

Fonte: https://extra.globo.com/casos-de-policia/policia-faz-operacao-para-prender-quadrilha-que-vende-gas-ilegal-em-japeri-na-baixada-22107878.html

Pastores evangélicos são alvos de investigação da PF por golpes em fiéis

Pastores evangélicos são alvos de investigação da PF por golpes em fiéis


Quadrilha prometia lucros em negócios fictícios envolvendo ouro 'do tempo do Império' e antigas 'letras do Tesouro Nacional' utilizando-se da fé


23/11/2017 11:08:07


Rio - A Polícia Federal identificou a atuação de pastores evangélicos para beneficiar uma organização criminosa investigada por golpes milionários que atingiram pelo menos 25 mil pessoas em todo o país. A Operação Ouro de Ofir foi deflagrada na terça-feira, contra um grupo que prometia lucros estratosféricos às vítimas em negócios fictícios envolvendo ouro "do tempo do Império" e antigas "letras do Tesouro Nacional".

Sidiney dos Anjos Peró, alvo de prisão temporária, é apontado com um dos líderes e responsável por arregimentar pastores com o fim de ludibriar e tirar dinheiro dos fiéis. "A característica principal da fraude está em atingir a fé das pessoas e na sua crença em um enriquecimento rápido e legítimo, levando-as a crer, inclusive, que tal mecanismo seria um 'presente de Deus aos fiéis', ou seja, trazendo a fé religiosa para o centro da fraude", afirma o delegado Guilherme Guimarães Farias, em relatório.


Dinheiro apreendido pela Polícia Federal na operação Ouro de Ofir
Divulgação/Polícia Federal

Segundo o inquérito, diversas narrativas foram inventadas pela suposta organização criminosa para ludibriar as vítimas. No entanto, apenas os crimes cometidos por intermédio de duas histórias são alvo da ação.

Uma delas se refere a uma família de Campo Grande (MS) detentora dos lucros sobre a venda de centenas de toneladas de ouro do tempo do Brasil Imperial (1822-1889), mas, para repatriar os valores obtidos com os lucros, alega ter um acordo com uma "Corte Internacional", que coloca uma condição: 40% do montante que receberiam os herdeiros no Brasil teriam de ser doados a terceiros.

Em outro golpe, as vítimas davam valores em troca de uma comissão sobre a "recuperação de antigas letras do Tesouro Nacional". O esquema era o mesmo: em troca de quantias de, no mínimo, R$ 1 mil, eram prometidos às vítimas grandes lucros. Em ambos os casos, as pessoas nunca receberam o que foi prometido. Há quem já tenha dado mais de R$ 20 mil ao grupo.

De acordo com a PF, abaixo dos mentores dos esquemas, estão "corretores", que ficam a cargo de cooptar vítimas e inseri-las em grupos nas redes sociais, e escriturários, que fraudavam documentos.

Um dos golpes tem como mentor Sidiney dos Anjos Peró, conhecido pelas vítimas como "‘Dr. Peró". Ele se diz juiz, mas apenas possui uma carteira de identificação de juiz arbitral do Tribunal de Justiça Arbitral Brasileiro. "É um cargo que não existe. Um árbitro existe em Câmaras de negociação, não é um cargo público. O que eles queriam era status", afirma o delegado que conduz as investigações.

Guilherme Farias afirma, em representação à Justiça, que "além dos símbolos usados por Peró, que remetem à fé cristã, como a Estrela de Davi e a Arca da Aliança", o suspeito "arregimenta pastores evangélicos, possivelmente como corretores, para vender 'aportes' de sua operação a fiéis das respectivas igrejas evangélicas onde referidos pastores agem também de forma criminosa, seja vendendo 'aportes' ou mesmo divulgando e estimulando uma operação ilegal". "Vários pastores são citados nos grupos, dos mais diversos estados brasileiros", relata.

A PF ainda afirma que "Sidinei dos Anjos Peró está sendo alvo de uma investigação na Policia Civil de Primavera do Leste/MT, juntamente com Gleison França do Rosário, que tudo indica, teria sido seu 'corretor' na região citada, fato este ocorrido dentro de uma igreja evangélica, inclusive com a participação do pastor responsável pela instituição religiosa’.

O nome da operação faz referência a uma passagem bíblica, na qual o ouro da cidade de Ofir era finíssimo, puro e raro, sendo o mais precioso metal da época. Ofir nunca foi localizada e nem o metal precioso dela oriundo.

A defesa de Sidiney dos Anjos Peró não foi localizada pela reportagem. O espaço está aberto para manifestação.

Fonte: http://odia.ig.com.br/brasil/2017-11-23/pastores-evangelicos-sao-alvos-de-investigacao-da-pf-por-golpes-em-fieis.html