Follow by Email

terça-feira, 10 de outubro de 2017

Suspeito de fingir ser advogado e pastor evangélico é preso em João Pessoa

Crédito da foto: Jornal do Correio via MSN
(Não constava na matéria do G1)


Suspeito de fingir ser advogado e pastor evangélico é preso em João Pessoa


Suspeito já fez mais de 40 vítimas na cidade, segundo a polícia. Já foi preso duas vezes em 2015, condenado e fugiu.


Um homem suspeito de fingir ser advogado e pastor evangélico foi preso em João Pessoa, após golpes relativos a ações trabalhistas, onde ele recebia os valores das vítimas e desaparecia. A prisão foi na tarde desta quarta-feira (4), pela Delegacia de Defraudações e Falsificações (DDF), após o suspeito resistir à prisão e ter que ser imobilizado.



Segundo a DDF, o mesmo homem já foi preso outras duas vezes em 2015 - uma em janeiro e outra em dezembro. A polícia ainda diz que mais de 40 pessoas já foram vítimas do “falso advogado” que também se identificava como pastor.


Segundo a polícia, quando foi preso pela segunda vez em 2015, ele chegou a ser condenado a nove anos de prisão por estelionato e tráfico de influência - o suspeito informava às suas vítimas que possuía contatos e privilégio na justiça e na polícia e que nunca seria investigado. Desta vez o homem foi preso após denúncias à Polícia Civil

Fonte: G1

Pastor é preso por assédio sexual de criança online

Pastor é preso por trocar mensagens eróticas com criança em Curitiba

Prisão foi feita em flagrante. Nas mensagens, além do teor sexual, homem ainda pedia imagens


Luiza Luersen Tribuna do Paraná
[26/09/2017]
[17h24]


Além do garoto de 13 anos,
polícia suspeita que outros menores tenham sido vítima do
pastor Átila Alberti/Tribuna do Paraná



Um pastor evangélico de 41 anos foi preso em flagrante no final da tarde da última segunda-feira (25), no bairro Pinheirinho, em Curitiba. Ele é suspeito de assediar um garoto de 13 anos. O homem trocava mensagens de teor sexual com o menino e ainda induzia ele a mandar fotos de suas partes íntimas, segundo o delegado Rinaldo Ivanike, que apura o caso. A ação foi realizada pela equipe de investigação do 11º Distrito Policial.

A investigação do caso começou há duas semanas, quando a família procurou a delegacia, para denunciar o homem. Todos os familiares frequentavam a igreja em que o acusado pregava.

“Inicialmente, esse menino frequentava a igreja com seus pais e tinha aulas particulares de música com esses pastores. E ele já tinha agido estranhamente, passava a mão na perna, até que conseguiu o número do garoto e passou a mandar mensagens de cunho erótico e ainda tentava marcar encontros. Ele armou um encontro no Pinheirinho com o garoto, só que a nossa equipe já acompanhava o caso, e prendemos ele em flagrante”, contou o delegado.

Para a imprensa, o homem disse que está arrependido. Ele nega que já tenha feito isso com outras crianças, mas a polícia acredita que tenha outras vítimas, já que, nas próprias mensagens que trocava com o garoto de 13 anos, ele cita um outro menino. O pastor tem passagem policial por lesão corporal e, agora, foi autuado em flagrante por aliciar, assediar, instigar ou constranger criança, com o fim de praticar ato libidinoso.

O pastor está preso no Setor de Carceragem Temporária (Secat) do 11º DP.


Fonte: Gazeta do Povo

quarta-feira, 27 de setembro de 2017

Pastor é preso após confessar estupro de jovem em Uberlândia

Nota deste blogueiro: 
O pastor estuprador foi parar no presídio Prof. Jacy de Assis em Uberlândia
Foto: Internet





TRIÂNGULO MINEIRO

Pastor é preso após confessar estupro de jovem em Uberlândia


Vítima havia anotado a placa do veículo após o crime. Ele foi encontrado nesse fim de semana com uma outra possível vítima, diz PM.




Por G1 Triângulo Mineiro

25/09/2017 08h15 Atualizado 25/09/2017 13h47




Um pastor, de 33 anos, foi preso neste fim de semana suspeito de estuprar uma jovem de 24 anos na última quinta-feira (21), em Uberlândia. Segundo informações da Polícia Militar (PM), eles começaram as buscas após a vítima ter conseguido anotar a placa do veículo do autor. O homem celebra cultos em uma igreja no Bairro São Francisco.


Ainda de acordo com a PM, no sábado (23), ele foi abordado no Bairro Mansour dentro do carro com uma outra possível vítima. A mulher é de Uberaba e estava na cidade para conhecê-lo. À PM, o pastor disse que usava um perfil falso em uma rede social para marcar encontros e confessou o estupro da jovem.


Com ele, foram apreendidos um tablete de maconha, uma faca e R$ 460 em dinheiro. O material e o homem foram levados para delegacia e depois para o Presídio Professor Jacy de Assis.


O estupro


No Boletim de Ocorrência (BO), a jovem relatou que participa de um grupo chamado “swing ménage Uberlândia” no Whastapp, onde o autor também estava, e que na data eles marcaram um programa no valor de R$ 100.


Ainda de acordo com o BO, segundo a vítima, o homem a buscou em casa e a levou para um local não habitado. A jovem disse não querer manter relações naquele lugar e se negou a continuar o encontro.


Ela ainda conta que o autor a ameaçou com uma faca e obrigou manter relações sexuais sem o uso de preservativo. Após o ato, ele ainda exigiu que ela entregasse o celular. A vítima foi abandonada no local e o autor fugiu.


A jovem foi ao Hospital de Clínicas da Universidade Federal de Uberlândia (HC-UFU), onde foi atendida. Em seguida, ela procurou a PM.

Pastor e mulher são presos suspeitos de estuprar menina para tirar 'maldição do sexo', em Edeia - GO

GOIÁS

Pastor e mulher são presos suspeitos de estuprar menina para tirar 'maldição do sexo', em Edeia

Segundo relato da vítima à polícia, casal alegava que os parentes dela poderiam morrer se não fizesse o 'sacrifício'. Eles negam abusos.



Por Paula Resende, G1 GO

23/09/2017 10h16 Atualizado 23/09/2017 10h59



Pastor e mulher são presos suspeitos de estuprar menina em Edeia 
(Foto: Divulgação/ Polícia Civil)



Um pastor e a mulher dele foram presos na sexta-feira (22) por suspeita de estupro em Edeia, na região sul de Goiás. Segundo a Polícia Civil, ele abusou de uma menina da igreja que ele pregava, com a conivência da esposa, alegando combater a “maldição do sexo”. O casal nega as acusações.

O mandado de prisão temporária foi expedido após a denúncia da vítima, de 16 anos. O delegado responsável pelo caso, Quéops Barreto, explicou que os abusos começaram quando ela tinha 13 anos e duraram cerca de 2 anos.

“O pastor disse que ela deveria fazer o ‘Sacrifício de Abraão’ porque ela tinha a maldição de sexo e só quebrava com sexo. Ele falava que, se não fizesse, a mãe e os irmãos iam morrer, usava a fé e o medo”, explicou Barreto ao G1.

De acordo com o delegado, a mulher do pastor tinha conhecimento dos abusos. “As tratativas eram feitas com a esposa. Ela dizia que a vítima precisava fazer aquilo, ensinava a fazer o ritual”, relatou.

Barretos explica que o pastor abusou da menina em quase 20 ocasiões. A menina ia para a igreja, e ele a levava para a casa dele, que fica nas proximidades.

“Primeiro, ele disse que era preciso de três relações, depois mais sete e depois mais sete. Ele disse que mesmo se ela fizesse, ia permanecer virgem”, relatou.

Vítima ia para a igreja, mas o pastor a levava para a casa dele para cometer os abusos (Foto: Divulgação/ Polícia Civil)


A mãe da vítima não tinha conhecimento dos abusos. Na época, segundo a polícia, o pastor chegou a fazer a mesma proposta para ela, mas não obteve êxito. Assim, a mãe deixou a igreja.


Denúncia


De acordo com Barretos, a caso só foi descoberto agora porque a mãe da vítima estranhou o comportamento da filha relacionado à questão de virgindade no namoro. Ao questioná-la, a adolescente revelou o que aconteceu.

O casal está detido na unidade prisional de Edeia. Eles devem responder por estupro de vulnerável, já que ela era uma criança quando o crime ocorreu.

O delegado acredita que o casal pode ter feito outras vítimas. Com a divulgação do caso, Barretos espera que elas também os denunciem . Caso comprove as relações com fiéis com mais de 18 anos, eles podem ser indiciados por violação sexual mediante fraude.

Quer saber mais notícias de todo o estado? Acesse o G1 Goiás.


FONTE: G1 - https://g1.globo.com/goias/noticia/pastor-e-mulher-sao-presos-suspeitos-de-estuprar-menina-para-tirar-maldicao-do-sexo-em-edeia.ghtml



ATUALIZAÇÃO COM DESDOBRAMENTOS DA INVESTIGAÇÃO SOBRE ESTUPROS PRATICADOS POR ESSE PASTOR E SUA MULHER:



Delegado identifica novas vítimas de pastor e esposa presos por estuprar menor para tirar 'maldição do sexo'

Mulheres devem ser ouvidas pela Polícia Civil de Edeia nesta semana. Casal está detido desde sexta-feira (22) e nega as acusações.

Por Vanessa Martins, G1 GO

26/09/2017 05h30 Atualizado há 23 horas



Após um pastor e a esposa dele serem presos suspeitos de estuprar uma adolescente alegando combater a “maldição do sexo”, a Polícia Civil localizou mais três vítimas do casal em Edeia, no sul de Goiás. O delegado Quéops Barreto, responsável pelo caso, informou que elas ainda devem ser ouvidas na delegacia. O casal nega todas as acusações.


“Outras pessoas se pronunciaram dizendo ou que aconteceu com elas, ou que tentaram. Acreditamos que existam ainda mais, mas não foram localizadas ainda. Essas meninas ainda não prestaram depoimento formal, então ainda não sabemos se a situação foi a mesma apresentada pela primeira vítima ou se houveram outras alegações”, afirmou o delegado.


A primeira denúncia de abuso por parte do casal foi feita por uma adolescente de 16 anos. Conforme Barros, os abusos começaram quando ela tinha 13 anos e duraram cerca de 2 anos. O pastor e a esposa foram presos na sexta-feira (22), após investigação apontar que eles usavam da fé da vítima para realizar os atos.


“O pastor disse que ela deveria fazer o ‘Sacrifício de Abraão’ porque ela tinha a maldição de sexo e só quebrava com sexo. Ele falava que, se não fizesse, a mãe e os irmãos iam morrer, usava a fé e o medo”, explicou Barreto ao G1.


Denúncia

De acordo com Barretos, a caso só foi descoberto agora porque a mãe da vítima estranhou o comportamento da filha relacionado à questão de virgindade no namoro. Ao questioná-la, a adolescente revelou o que aconteceu.


A mãe da adolescente contou que a menina revelou a participação dos dois nos abusos. “Chamou ela para orar e falou que Deus estava pedindo a virgindade dela. ‘Ela me levava na igreja, fazia eu ajoelhar e jurar em nome de Deus que eu não iria contar nada para ninguém’. Eu acredito que a justiça vai ser feita e ele vai ser punido por isso para não acontecer com mais ninguém”, afirmou em entrevista à TV Anhanguera.


O casal está detido na unidade prisional de Edeia. Eles devem responder por estupro de vulnerável, já que ela era uma criança quando o crime ocorreu.

Pastor é condenado a oito anos de prisão por tentativa de estupro

Polícia
Vila Velha

Pastor não foi identificado para preservar a identidade da vítima, já que o acusado era vizinho dela
Foto: Divulgação/Sejus

Publicado em 21/09/2017 às 22h16
Atualizado em 22/09/2017 às 06h48

Pastor é condenado a oito anos de prisão por tentativa de estupro


Condenado a 8 anos de cadeia, pastor de 60 anos mostrava as partes íntimas para a garota, de 12 anos, e chegou a tentar arrastá-la para dentro de casa

Um pastor de 60 anos, que fundou uma igreja evangélica em Vila Velha, foi condenado a oito anos de prisão por atos libidinosos e tentativa de estupro de vulnerável. Ele assediava sua vizinha, uma adolescente de 12 anos, que morava com os pais próximo à residência em que ele vivia.

Foragido desde setembro de 2016, quando teve o mandado de prisão expedido, ele se entregou à polícia na semana passada. A identidade do homem, que há mais de 30 anos conhecia a família da vítima, não será revelada para preservar a identidade da adolescente.

A população não aceita muito bem estuprador nas ruasLorenzo Pazolini, titular da Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente

Segundo os autos do processo, a vítima relatou que o vizinho andava nu pela casa, fazendo gestos e, constantemente, tentava atrair sua atenção. Após contar para a família, eles passaram a monitorar os atos do criminoso.

“Em duas oportunidades, ele foi flagrado se masturbando e fazendo sinais obscenos para essa jovem, até que ele tentou levar a menina para dentro de casa. Depois disso, a família levou o caso à delegacia”, explica o delegado Lorenzo Pazolini, titular da Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente.

O ato não foi consumado porque a vítima entrou em luta corporal com o estuprador e conseguiu sair da casa. Mesmo assim, nesse meio tempo, o pastor tocou nas partes íntimas da garota, ainda segundo relato da vítima.

Segundo Pazolini, no período em que estava foragido, o pastor esteve trabalhando como autônomo. “Depois da divulgação da imagem dele nos meios de comunicação, ele passou a se sentir temeroso, porque a população não aceita muito bem estuprador na rua”, comenta.

Questionado sobre o crime, o religioso alegou que não fez nada de mal à garota: “A gente se arrepende quando faz alguma coisa. Mas quando você é injustiçado, a melhor coisa é ficar quieto. A verdade é que todos nós seremos julgados pela justiça divina”.

Com colaboração de Karen Manzoli.